Código Ausente

As fotos têm caráter autobiográfico e documental, são registros da minha vivência em diversos relacionamentos, retratos do meu medo de amar.

Sou de uma geração que vive mais claramente a dificuldade da entrega ao amor, antes mascarado pelo casamento ou pela reação a ele, o amor livre. Não que todos tenham consciência disso, mas casais se encontram e se separam com mesma facilidade que se pluga/despluga uma tomada.

É mais fácil trocar que aprofundar, dói aprofundar, exige que a gente se dê conta das nossas limitações e reconheça o quão pequeno é o nosso amor. Ao invés disso, a fila anda:

- Próximo!!!

Ou então o desespero é tamanho que aceitamos tudo para manter um relacionamento, mas o preço é igualmente alto.

Há um desespero que nos impulsiona num frenesi louco atrás do outro, do preenchimento de algo incomensurável. Sugamos e nos deixamos sugar, o outro é  apenas alimento para tapar aquele buraco infinito que levamos dentro de nós, nossa dor existêncial.

Isso quando conseguimos nos relacionar um pouco mais profundamente com alguém. Muitos sequer conseguem e escondem seus medos optando por sua carreira, liberdade ou qualquer outra desculpa. São “pessoas tão preocupadas em preservar suas liberdades que acabam por preservar a sua solidão”, nas palavras do psicanalista Contardo Calligari.

Mas se precisamos tanto deste amor, por que não conseguimos nos entregar totalmente?

É a memória da traição ao amor, segundo o psicoterapeuta Alexander Lowen: houve um momento em que sabíamos amar, quando crianças éramos espontâneos, generosos e nosso amor abundante, mas ele não foi correspondido pelos nossos pais com a mesma grandiosidade. Assim seguimos a vida carentes e desconfiados.

Como num grande mal entendido, ficamos frente um ao outro e não nos enchergamos.

Ainda assim sou um pregador do amor,  o seu fracasso é o motor do nosso crescimento emocional, e cada novo relacionamento traz um grande aprendizado e uma nova profundidade.

Série premiada com a Menção Honrosa do Prêmio Porto Seguro de Fotografia 2002.

60cm de altura e comprimento variável de acordo com a imagem, fotografia digital e filme impressas com jato de tinta em papel algodão matte.